Precisamos falar de apego

“Mas e se eu gostar muito da peça?” Essa é uma pergunta que a gente ouve muito por aqui quando tem gente nova na Casa. Agora vamos de segredo íntimo, nosso papo de provador: se você gostar muito das peças, que sorte que elas seguem sendo sua e de toda nossa comunidade! Sim, precisamos falar sobre apego.

Sei que é um pouquinho mais complexo que isso, né? Mas o exercício do desapego é assim mesmo, vamos dar um passo por vez: primeiro a gente entende de onde vem a demanda por possuir aquela roupa. Será que a nossa necessidade é com a roupa em si ou com o que ela nos faz sentir? Se você assinalou sim para a segunda opção, vale questionar ainda: será que tem mais a ver com a roupa ou com o modo que fomos educados para pensar que só dá para ser feliz se for tudo nosso?

Vivemos um momento de quebra de paradigmas bem importante! O que antes era pautado pelo “faça você mesmo” vem em passos lentos, mas reconhecíveis, virando a possibilidade de fazer com o outro. Dentro disso, ressignificar o sentimento de posse com a roupa, para pensar nas memórias que podemos criar entre o vestir compartilhado, é um passo cheio de significados. Esse processo envolve sim erros, acertos mas o melhor é que você não está sozinha!

Poucas peças no seu armário ou muitas peças na sua vida? Na dúvida, sempre dá para escolher a leveza e possibilidade de experimentar.

Compartilhe:

Deixe um comentário