A Mulher do Padre e as “Camisetas Emprestadas”

Quem não se lembra da ameaça inúmeras vezes repetidas nas rodas da infância “quem chegar por último é a mulher do padre”? No universo infantil, a mulher do padre (a mula sem cabeça, dentre tantas outras expressões inventadas) nomeia castiga em forma de nome quem está perdendo o jogo. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As mulheres da nossa comunidade usam A Mulher do Padre no acervo Roupateca (Thais Farage e Marcela Rodrigues)!

A marca de roupas AMP – A Mulher do Padre nasceu há mais de duas décadas do desejo de sobrepor culturas para oferecer peças mais criativas, artesanais e, ao mesmo tempo, com um maior cuidado na produção em pequenas tiragens. Em um momento onde marcas brasileiras surgiam com nomes internacionalizados, “A mulher do padre” resgata o folclore brasileiro para propor uma “antimarca”: aqui o que antes era mal visto passa a ser o objeto de desejo e diversão. 

Reconhecida por oferecer modelagens confortáveis com mensagens estéticas cheias de personalidade, a AMP é parceira antiga no acervo Roupateca, desfilando com nossas assinantes há muitos e muitos anos. Como tanto a marca quanto nós gostamos de estar sempre em movimento, propondo novos desafios dentro do nosso ecossistema, a meta agora é clara: tornar o “emprestado” moderno e duradouro <3

Para tanto, a AMP produziu 6 camisetas especiais & metalinguísticas (como a gente gosta) destinadas à comunidade Roupateca: “camiseta emprestada”. Essas peças especiais que contam a história do que a gente acreditam, serão enviadas a convidades mais que especiais da nossa rede, que literalmente vestem a camisa do consumo consciente: @jacksonaraujo@cahmiguel; @chameamo; @talitaosiro; @iserafim e @inaiaraflorencio.

Depois de passar o mês desfilando com a camiseta emprestada por aí, nossos convidades devolverão as peças para o acervo para que você também usufrua da camiseta emprestada! E aí, que tal? É tudo nosso para ser tudo mais!

Deixe um comentário